15 jan 2021

GE Renewable Energy anuncia contrato de reciclagem de pá eólica nos EUA com a Veolia

A GE Renewable Energy anunciou que assinou um contrato de vários anos com a Veolia North America (VNA) para reciclar as pás eólicas removidas de suas turbinas terrestres localizadas nos EUA.

Por meio desse contrato, a GE planeja reciclar a maioria das pás que são substituídas durante os esforços de repotenciação. A Veolia usará as pás como matérias-primas para cimento (coprocessamento em forno).

Fonte: JEC Composites

Compartilhe
15 jan 2021

Embraer recebe mais duas encomendas de jatos E195-E2 da Congo Airways

Apenas seis meses após a encomenda de aeronaves E2, a Congo Airways firmou um novo pedido para mais dois jatos E195-E2, que se soma à primeira encomenda de dois jatos E190-E2, todos direcionados á fabricante brasileira Embraer.

O contrato das quatro aeronaves tem um valor total de US$ 272 milhões, de acordo com o preço de lista atual. Essa nova encomenda será incluída na carteira de pedidos firmes da Embraer do quarto trimestre de 2020, conforme explica fato relevante divulgado nesta semana.

Fonte: Money Times

Compartilhe
15 jan 2021
15 jan 2021

Nordex fecha venda de turbinas para parque eólico da Statkraft no Brasil

A fabricante alemã de equipamentos de energia eólica Nordex informou nesta semana que recebeu um pedido da norueguesa Statkraft para máquinas a serem utilizadas em um projeto a ser construído pela empresa no Brasil

A Nordex disse que o negócio fechado junto à Statkraft envolverá turbinas eólicas de seu modelo N163/5.X, que somarão capacidade total de 518,7 megawatts. “Esse é o maior pedido do Grupo Nordex até o momento para as turbinas N163/5.X, e a primeira encomenda fora da Europa”, disse a fornecedora em comunicado em seu site.

Os equipamentos serão utilizados pela Statkraft no parque eólico Ventos de Santa Eugênia, na Bahia, e o comissionamento das máquinas está previsto para o início de 2023.

Fonte: Reuters

Compartilhe
15 jan 2021

Qual o futuro da Troller, emblemática marca cearense de jipes da Ford

A Troller nasceu no Ceará em meados de 1994, ainda como uma espécie de projeto-piloto. Os primeiros jipes foram vendidos para pilotos de provas de rally: o laboratório era em condições reais. Em 1997, a montadora foi oficialmente fundada, com uma linha de produção dedicada.

No ano 2000, a marca ganhou forte projeção ao participar do Rally dos Sertões e estrear no Paris-Dakar. Alguns anos depois, a Ford acabou adquirindo a marca, que tem produção no município cearense de Horizonte.

Segundo apurou a reportagem da EXAME com pessoas próximas à Ford, o encerramento das atividades da fábrica da Troller só se dará no final do ano para que a montadora americana tenha tempo hábil para negociar os termos de uma possível venda, que já estaria sendo costurada.

A linha de produção da montadora cearense ainda deve passar, neste ano, por um processo de atualização, reforçando que a fábrica já pode ter um destino traçado nas mãos de outro controlador.

“A Troller ainda é rentável para a Ford e sua linha só será descontinuada no final do ano, o que confere tempo para que o possível comprador acerte os termos da venda”, diz uma pessoa próxima à Ford. Procurada, a empresa não respondeu a questionamento até o momento.

Em 2020, a Ford vendeu 1.301 unidades do modelo T4, com preço sugerido a partir de 173.200 reais cada: faturamento significativo para uma operação fabril que, segundo apurou a EXAME, ainda tem baixo custo em comparação às concorrentes, além de incentivos fiscais estaduais.

Fonte: Exame

Compartilhe
15 jan 2021

Compósitos na Universidade Petrobras

Na última terça-feira (12), cerca de 50 engenheiros da Petrobras acompanharam uma rodada de palestras online sobre compósitos.

Promovido pela Universidade Petrobras e apoiado pelo Comitê de Pultrusão da ALMACO, o evento reuniu trabalhos dos seguintes especialistas no material: Waldomiro Moreira (ALMACO), Evaldo Mota (INEOS Composites), Simone de Andrade (CPIC) e Cristian Campos (Polynt-Reichhold).

Fonte: ALMACO

Compartilhe
18 dez 2020
18 dez 2020

ALMACO mapeia setor de compósitos durante pandemia

Pesquisa aponta para uma queda de 2,7% no volume produzido em 2020

Ao longo dos últimos meses, a Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (ALMACO) vem promovendo pesquisas qualitativas para mapear os danos causados pela pandemia de Covid-19 ao setor brasileiro de compósitos.

Participam dos levantamentos empresas de diversos elos da cadeia produtiva do material, um tipo de plástico de alta performance largamente consumido pelas indústrias de transportes, construção civil e geração de energia, entre outras.

De acordo com a última pesquisa, em 2020 o volume de produção das empresas ouvidas pela ALMACO caiu, em média, 2,7% em comparação ao ano anterior. Caso não tivesse ocorrido a pandemia, a estimativa era de um crescimento ao redor de 10% no período.

Muito embora tenha ocorrido a crise sanitária, 58,3% dos respondentes afirmaram que fizeram investimentos em ampliação de capacidade neste ano. Para 2021, 82,8% esperam ampliar o potencial instalado de suas unidades produtivas. A estimativa de crescimento médio para o ano que vem é de 7,4%, sendo que 76,3% responderam que pretendem efetuar contratações.

#####

Sobre a ALMACO

Fundada em 1981, a ALMACO tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a ALMACO tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (CETECOM), o maior do gênero na América Latina.

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química, associados à liberdade de design. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, ônibus, trens e aviões.

Para mais informações, acesse www.almaco.org.br.

 

Compartilhe
18 dez 2020

ALMACO divulga os vencedores do Top of Mind da Indústria de Compósitos 2020

Edição deste ano contemplou 27 categorias

O setor brasileiro de compósitos – um tipo de plástico de alta performance – acaba de conhecer os vencedores da edição 2020 do Top of Mind da Indústria de Compósitos. Organizado pela Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos desde 2010, o Top of Mind é a principal premiação desse mercado.

Por meio de votação espontânea e eletrônica realizada ao longo do mês de outubro, a edição deste ano computou cerca de 7 mil votos. Com 27 categorias, a novidade do Top of Mind da Indústria de Compósitos 2020 ficou por conta da categoria “Bons Ventos”, que premiou a empresa mais lembrada pelos associados da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica).

Confira, a seguir, a relação dos vencedores e os percentuais de votos obtidos por cada um.

Resina Poliéster: INEOS Composites (28,6%)
Resina Epóxi: Redelease (14,28%)
Resina Éster-Vinílica: INEOS Composites (44,12%)

Resina de Poliuretano: Purcom (30,44%)
Fibras de vidro: Owens Corning (42,57%)
Fibras de carbono: Texiglass (32,63%)
Tecidos: Texiglass (32,33%)
Adesivos: Parker LORD (45%)
Catalisadores: Nouryon (31,96%)
Gelcoat: Dilutec (17,62%)
Composto de moldagem: LyondellBasell (28,5%)
Desmoldante: Redelease (28,51%)
Aditivo: BYK (33,62%)
Moldes: Bruno Moldes (24,66%)
Equipamentos: Fibermaq (41,84%)
Processos manuais (spray-up e hand lay-up): Marcopolo (13,45%)
RTM: Gatron (15,4%)
SMC: Tecnofibras (22,64%)
BMC: LyondellBasell (26,63%)
Pultrusão: Cogumelo (16,67%)
Infusão: Barracuda (18,98%)
Enrolamento Filamentar: Petrofisa (16,67%)
Laminação Contínua: Fibralit (20,18%)
Inovação: Gatron (14,7%)
Indústria de compósitos: Owens Corning (11,65%)
Bons Ventos: Owens Corning (32,7%)

Em função da pandemia, a ALMACO divulgou os nomes dos vencedores através de um vídeo postado em suas redes sociais e site. O Top of Mind foi uma ação apoiada pelas seguintes empresas: Fibermaq, Gatron, INEOS Composites, LyondellBasell, Novapol, NovaScott, Owens Corning, Purcom e Texiglass.

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química, bem como pela versatilidade. Estão presentes em aplicações no setor de transporte, construção civil, saneamento básico, químico e náutico, entre outros.

Fundada em 1981, a ALMACO tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a ALMACO tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (CETECOM), o maior do gênero na América Latina.

Para mais informações, acesse www.almaco.org.br

 

Compartilhe
18 dez 2020

Redelease é Top of Mind da Indústria de Compósitos em três categorias

Empresa foi a mais votada em “Distribuidor”, “Desmoldante” e “Resina Epóxi”

Pela oitava vez, a Redelease conquistou o Top of Mind da Indústria de Compósitos na categoria “Distribuidor”. A empresa, finalista em treze categorias na edição de 2020 do prêmio, também foi a grande vencedora em “Desmoldantes” – nono título – e em “Resina Epóxi”.

“Sermos lembrados em treze das 27 categorias nos enche de orgulho e responsabilidade. Ao longo desses trinta anos de trabalho, pesquisa e aprendizado, definimos o DNA da Redelease, que se consolidou em um portal de técnicas e de aquisição de insumos para processos em compósitos”, afirma Roberto Iacovella, fundador da Redelease.

Este ano, a Redelease ficou entre as empresas mais votadas nas seguintes categorias: “Resina Éster-Vinílica”, “Resina de Poliuretano”, “Fibra de Vidro”, “Fibra de Carbono”, “Adesivos”, “Catalisadores”, “Gelcoat”, “Aditivo”, “Indústria de Compósitos” e “Inovação”

Organizado pela Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (ALMACO), o Top of Mind é a principal premiação do setor de compósitos – um tipo de plástico de alta performance presente em aplicações nos setores de construção civil, transportes, químico e náutico, entre outros.

O anúncio dos vencedores do Top of Mind aconteceu no dia 10/12, através de um vídeo que a associação divulgou em suas redes sociais. Por conta da pandemia, a tradicional cerimônia de premiação não foi realizada.


Sobre a Redelease
Fundada em 1990, a Redelease é uma das maiores distribuidoras de especialidades químicas do Brasil. Seu portfólio é formado por mais de mil itens, entre resinas termofixas, reforços mecânicos (fibras de vidro, por exemplo), desmoldantes semipermanentes, adesivos estruturais, peróxidos orgânicos e tintas de alta performance. Com matriz e filial em Campinas (SP), a Redelease conta com doze unidades licenciadas (Redecenter) distribuídas nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina. Para mais informações, acesse www.redelease.com.br.

FONTE: SLEA Comunicação

Compartilhe

© 2017 ALMACO. Todos os direitos reservados.

Click Me