28 out 2021

Lorenzetti investe R$ 200 milhões em louças sanitárias em Minas Gerais

O grupo Lorenzetti anunciou investimento de 200 milhões de reais em sua fábrica de louças sanitárias em Poços de Caldas (MG) para duplicar a capacidade produtiva até 2024, informou a empresa nessa quarta feira.

A unidade de Poços de Caldas é voltada para produção de louças, como bacias sanitárias, cubas, tanques e mictórios, segmento que a Lorenzetti entrou em 2015.

“Do faturamento de 1,9 bilhão de reais em 2020, uma fatia importante provém de louças sanitárias. Estamos entre as maiores marcas de louças sanitárias e prevemos dobrar a produção até 2024, com 200 mil peças fundidas ao mês e mais de mil funcionários diretos”, afirmou o presidente-executivo do grupo Eduardo Coli.

Fonte: Money Times

Compartilhe
28 out 2021

Petroleira portuguesa Galp vai investir na venda direta de gás a partir de janeiro

Em meio à alta dos preços do gás natural no Brasil e de carona na nova lei do gás, regulamentada em junho, a petroleira portuguesa Galp anunciou nesta terça-feira que pretende atuar na venda direta do produto a partir de janeiro. Hoje, a empresa atua na produção e exploração de petróleo e gás.

Segundo o presidente da companhia, Andy Brown, o objetivo é se posicionar como líder na comercialização. Ele veio pela primeira vez ao Brasil depois da sua posse no início do ano, e falou com jornalistas na manhã desta terça-feira.

— Temos nossa própria produção associada de gás. Como já temos uma equipe de comercialização de gás no Brasil, estamos bem posicionados e podemos vender gás para outros. Se a seca permanecer, o Brasil precisará de mais gás do que produz — afirma Brown.

E complementa:

— E a energia renovável não cresce tão rápido quanto a demanda. Então, haverá mais demanda por mais gás. Queremos nos posicionar como líderes na comercialização.

Fonte: O Globo

Compartilhe
28 out 2021

Bahia já atraiu quase R$26 bilhões em investimentos na área de energia renovável

A Bahia lidera o ranking dos cinco principais estados na geração acumulada de energia solar e eólica, entre janeiro e agosto de 2021. Juntas, as fontes renováveis deverão investir cerca de R$ 37 bilhões em municípios baianos nos próximos anos, além dos R$ 25,7 bilhões já injetados no Estado para criação de parques eólicos e solares. Os dados são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica e constam no Informe Executivo de Energia eólica e solar de outubro, divulgados pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), nessa segunda-feira (18). Comparado a agosto de 2020, houve um aumento de 14% na geração de energia eólica.

Fonte: Engenharia Compartilhada

Compartilhe
28 out 2021

Aviões comerciais ficam ainda mais próximos de voar com etanol

As americanas ADM e Gevo anunciaram hoje um acordo para desenvolverem juntas combustíveis sustentáveis para a aviação civil. O plano é utilizar 3,4 milhões de metros cúbicos (900 milhões de galões) de etanol produzido pela ADM a partir de suas usinas processadoras de milho para chegar a 1,9 milhão de metros cúbicos (500 milhões de galões) do combustível sustentável de aviação (SAF, na sigla em inglês), com a tecnologia da Gevo.

Com sede no Colorado, a Gevo desenvolveu uma tecnologia que transforma combustíveis renováveis como o etanol em hidrocarbonetos líquidos de alta densidade energética. A ADM é uma das maiores originadoras de grãos do mundo, desenvolve ingredientes para a indústria de alimentos e produz etanol à base de milho nos Estados Unidos.
Para atender o acordo, a ADM produzirá etanol e isobutanol em suas fábricas instaladas em Columbus, no estado de Nebraska, e Cedar Rapids, em Iowa, bem como em seu complexo de Decatur, em Illinois.

“A conversão potencial de 900 milhões de galões de etanol – mais da metade de nossa capacidade de produção – para atender à crescente demanda por combustível de aviação sustentável representaria um grande passo na evolução contínua de nosso negócio de Carbohydrate Solutions para focar cada vez mais em novas oportunidades, com alto crescimento”, disse em nota o presidente e CEO da ADM, Juan Luciano.

“Nossa carteira de contratos com clientes potenciais cresceu para mais de 1 bilhão de galões”, disse o CEO da Gevo, Patrick Gruber. “Ao trabalhar com a ADM, que já se comprometeu a reduzir sua pegada de carbono, temos a oportunidade de acelerar a escala. A tecnologia para converter etanol de baixo carbono e isobutanol em SAF pela Gevo está bem desenvolvida e pronta para comercialização em escala mundial”, disse o executivo.

Fonte: TN Petróleo

Compartilhe
28 out 2021

ALMACO, SAMPE Brasil e PNME criam hub de inovação

Desenvolver um hub de inovação para o uso de materiais avançados na mobilidade elétrica. Esse é o objetivo do grupo de trabalho criado por ALMACO, SAMPE Brasil e Plataforma Nacional de Mobilidade Elétrica (PNME).

“Nosso foco não se limita aos veículos, uma vez que a aplicação de materiais avançados pode se dar também em redes de eletrificação”, observa Sérgio Nascimento, coordenador do grupo.

No momento, o grupo está buscando firmar parcerias com outras associações de materiais e empresas de toda a cadeia produtiva.

“Um dos nossos planos é promover um workshop para aproximar todos os agentes envolvidos, dos fornecedores de matérias-primas e transformadores até as montadoras e companhias especializadas em eletrificação”, detalha Nascimento.

Fonte: SLEA Comunicação

Compartilhe
21 out 2021

Download gratuito do Guia de Compra e Inspeção para o Mercado de Pultrusão

Análises conservadoras apontam para uma vida útil mínima de dez anos dos perfis pultrudados. Não são incomuns, porém, relatos de grades de piso, corrimões e guarda-corpos fabricados há quinze, vinte ou até trinta anos ainda em bom estado.

Essa longevidade é determinada por alguns fatores, como nível de exposição às intempéries, tipo de ambiente químico onde ocorreu a instalação e, principalmente, escolha correta das matérias-primas e qualidade do acabamento dado ao perfil.

Quer saber mais sobre o assunto?

Faça o download gratuito do Guia de Compra e Inspeção para o Mercado de Pultrusão, publicação editada pela ALMACO: https://lnkd.in/dA4dz9a
Fonte: ALMACO

Compartilhe
21 out 2021

Gatron fabrica defletores do caminhão-conceito Efficiency Concept Truck

O caminhão do futuro conta com defletores laterais e traseiros fabricados pela Gatron, empresa paranaense especializada na transformação de compósitos, um tipo de plástico de engenharia.
Denominado Efficiency Concept Truck, o veículo-conceito criado pela Volvo serviu de plataforma para a antecipação de novas tecnologias, entre elas, a de um rodotrem basculante uma tonelada mais leve que os convencionais desenvolvido pela Randon Implementos. É nesse rodotrem, chamado de Concept Truck, que foram instalados dois defletores laterais e três traseiros produzidos pela Gatron.
“Nossa equipe de engenharia atuou bem próxima ao time da Randon para chegar ao melhor resultado em termos de design aerodinâmico e peso dos defletores”, afirma Camila Scarmin, gerente comercial da Gatron.

Fabricados pelos processo de infusão, os defletores têm 1,8 m (laterais) e 2,4 m de comprimento (traseiros). “A infusão possibilitou a moldagem com alto teor de fibras de vidro. Ou seja, conseguimos produzir componentes leves e muito resistentes. Além disso, mantivemos fielmente as linhas do design da peça, o que fez toda a diferença no projeto final”, salienta Camila.

Um dos principais desafios desse projeto, observa a gerente comercial da Gatron, ficou por conta da produção de moldes que reproduzissem exatamente o design sinuoso dos defletores. “O fato de contarmos com a operação 100% verticalizada foi determinante para que tivéssemos sucesso na transformação de desenhos em peças prontas para serem instaladas no caminhão”, completa.

Fonte: SLEA Comunicação

Compartilhe
21 out 2021

Importações de US$ 6,2 bi, em setembro, e déficit de US$ 40,3 bi, nos últimos 12 meses, são inéditos

Confirmando a tendência de consecutivos e expressivos aumentos dos valores importados em produtos químicos, observada desde o início de 2021, em setembro, o Brasil ultrapassou, de maneira inédita e simultânea, duas marcas particularmente alarmantes: de US$ 6,2 bilhões em importações, no mês, e de US$ 40,3 bilhões no déficit para os últimos 12 meses (outubro de 2020 a setembro de 2021). As exportações brasileiras de produtos químicos, por sua vez, têm permanecido estáveis, em níveis mensais bastante inferiores ao das importações, com vendas médias de US$ 1,2 bilhões, relativas às expedições de 1,3 milhões de toneladas aos países de destino das mercadorias nacionais.

No acumulado do ano, até setembro, as compras de produtos químicos vindos do exterior somam US$ 42,4 bilhões, um forte crescimento de 39,8% frente ao mesmo período de 2020, enquanto as vendas de produtos químicos para o estrangeiro totalizaram US$ 10,2 bilhões, valor 23,6% superior ao registrado entre janeiro e setembro de 2020. Tais resultados acumulados produziram, no período, um déficit de US 32,2 bilhões, valor superior aos US$ 32 bilhões de 2013, até então maior déficit anual da história do acompanhamento da balança comercial pela Abiquim.

O momento é crítico para o setor. As fortes altas dos preços médios dos produtos transacionados entre o Brasil e o mundo (aumentos de 39,6% nos importados e de 21,5% nas exportações, comparando setembro de 2021 com igual mês do ano anterior), a manutenção da atividade econômica em patamares elevados em praticamente todas as cadeias que demandam químicos, além da sazonalidade do terceiro trimestre, historicamente mais forte para o setor, foram, em grande parte, os fatores conjunturais que resultaram nos piores indicadores da balança comercial de químicos.

Para o presidente-executivo da Abiquim, Ciro Marino, somando-se a esse grave quadro conjuntural, a dependência externa em setores industriais estratégicos, como fertilizantes e produtos farmacêuticos, além da própria química, e a insegurança jurídica causada pelo avanço assimétrico das políticas comerciais sem as contrapartidas necessárias para garantia do ambiente de negócios justo e leal tornam urgente uma agenda de fortalecimento da competitividade focada em medidas pragmáticas de estímulo de curto prazo, como têm feito os principais players mundiais, e nas reformas estruturais da economia brasileira atreladas a um sistema de defesa comercial técnico, isento e robusto. “Nesse exato momento em que as principais economias estão reavaliando suas estruturas industriais e investindo bilhões de dólares para atrair investimentos que possam diminuir o risco de concentração de dependências externas em setores estratégicos, como a química, temos que ser pragmáticos e objetivos. O Plano Biden, nos EUA, de incentivo à capacidade industrial e tecnológica, o Plano Quinquenal da China e o “New Deal” Sul-coreano de investimentos e estímulos fiscais são exemplos concretos daquilo que imediatamente temos que fazer pelo Brasil para voltarmos a ter condições de competir internacionalmente, além de acelerar as reformas estruturais e reequilibrar a agenda internacional, com políticas comerciais alicerçadas em facilitação de comércio, cooperação internacional, competitividade e segurança jurídica do sistema de defesa comercial”, destaca Ciro.

Fonte: Abiquim

Compartilhe
21 out 2021

Aegea Saneamento aposta em startups para aceleração do setor

Em parceria com o Innovation Latam, a Aegea Saneamento desenvolveu um programa de aceleração com startups para buscar soluções e projetos que tragam inovação, desenvolvimento, impulsionem negócios e ajudem a reduzir o déficit do setor.

A empresa acredita que, para que haja mudanças no atual cenário do saneamento no Brasil, é necessário desenvolver projetos de tecnologia e inovação.
O programa contará com 4 desafios: Gestão e Relacionamento com Stakeholders; Plataforma de Gestão de Serviços Prestados; Atualização Cadastral e Autoleitura dos Hidrômetros.
O programa também é aberto para startups que ofereçam projetos em energia, auxiliando no tratamento de água, reduzindo o impacto social e ambiental e smart cities. As startups interessadas podem se inscrever por meio deste link.

Entre os benefícios e oportunidades em participar desta iniciativa, a startup contará com mentoria de especialistas da Aegea para o desenvolvimento de proposta de valor do produto, gerando visibilidade do seu projeto para importantes lideranças e promovendo a aceleração dos negócios com oportunidades de contratação e investimentos pela companhia.

“O setor de saneamento possui dados alarmante de 35 milhões de pessoas sem água tratada e cerca de 100 milhões sem acesso ao serviço de coleta e tratamento de esgoto. Os desafios do setor estimulam as empresas a desenvolverem ações e projetos que resultem em impactos econômicos e sociais”, afirma Klaus Paz, Gerente de Infraestrutura Digital da Aegea.

“A ideia da Aegea em apostar em startups é fato inerente às nossas premissas em ESG e na estimulação da inovação em diferentes regiões do Brasil.”

Fonte: Revista Grandes Construções

Compartilhe
14 out 2021

Embraer fecha acordo com NetJets para venda de até 100 aviões

A Embraer anunciou nesta segunda-feira, 11, que fechou um novo contrato com a NetJets para a venda de até 100 aeronaves adicionais, totalizando mais de US$ 1,2 bilhão. O acordo prevê que a NetJets começará a receber o modelo Phenom 300E da nova encomenda no segundo trimestre de 2023, para operação nos Estados Unidos e Europa.

Em nota à imprensa, a fabricante brasileira lembra que o primeiro acordo de compra da NetJets, assinado em 2010, contemplou 50 pedidos firmes para os jatos executivos Phenom 300 mais opções de até 75 aeronaves adicionais.

Fonte: Exame

Compartilhe

© 2017 ALMACO. Todos os direitos reservados.

Click Me