10 jun 2021

Preço da celulose não cai nem tão cedo, então é bom manter Suzano e Klabin

Já não é novidade que os investidores vivem às turras com o mercado de papel & celulose, ao passo que ações do ramo chegaram a até zerar virtualmente os ganhos no ano.

Entretanto, o Itaú BBA tem uma opinião forte no assunto: é bom manter Suzano (SUZB3) e Klabin (KLBN11) na mão.

Oferta e estoques de celulose estão pressionados e apontam para uma resiliência nos preços da commodity, segundo relatório ao qual o Money Times teve acesso.

Fonte: Money Times

Compartilhe
10 jun 2021

Vestas atinge 5GW em vendas de nova turbina eólica no Brasil

A fabricante dinamarquesa de turbinas para energia eólica Vestas viu pedidos no Brasil para seu mais recente equipamento lançado no país atingirem a marca recorde de 5 gigawatts, informou a companhia nesta terça-feira, ao anunciar também que criará uma unidade especificamente voltada a países latino-americanos.

A fornecedora disse que a chamada Vestas América Latina terá criação efetivada a partir de janeiro de 2022 e será comandada por Eduardo Ricotta. O executivo liderou antes as operações da Ericsson no Brasil e na América do Sul.

“Nos próximos meses de 2021, a Vestas manterá os clientes e parceiros da região da América Latina informados sobre os benefícios e oportunidades desta nova configuração, que deve trazer mais dinamismo e independência para os negócios locais”, disse a companhia em nota à imprensa.

A Vestas tem presença em 34 países latino-americanos, área antes considerada pela empresa como uma sub-região de negócio.
A fabricante de turbinas disse ainda que seu principal mercado na região, o Brasil, atingiu em maio a marca de 5 gigawatts em pedidos da turbina V150, com 4,2 megawatts em capacidade instalada.

“O modelo, um dos mais modernos do país, começou a ser fabricado em 2019 em Aquiraz (Ceará) e se tornou o mais vendido de todos os tempos no Brasil. Desse total, 2 GW já foram produzidos”, disse a Vestas em nota.

As instalações de energia eólica têm crescido rapidamente no Brasil na última década e hoje correspondem a pouco mais de 10% da capacidade instalada de geração no país, com 18 gigawatts em usinas operacionais, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Fonte: Energia Hoje

Compartilhe
10 jun 2021

FCI-Marbocote lança lubrificante que facilita a montagem de componentes plásticos e de borracha

O Grupo Renault está anunciando de forma oficial um novo centro de produção de carros elétricos no norte da França chamado ElectriCity. Para isso, fundiu as fábricas francesas de Douai, Maubeuge e Ruitz em um único complexo focado na mobilidade elétrica.

Antes da fusão, no entanto, tiveram que ser conduzidas negociações difíceis com os numerosos sindicatos locais (CFDT, CFE-CGC, CFTC, CGT, FO e SUD). Com isso, o CEO Luca de Meo agora aparentemente chegou a um acordo. O formato exato do negócio é desconhecido, mas poderia seguir a velha fórmula de “salários mais baixos para garantir empregos”.

A ElectriCity está se tornando uma das instalações de produção de veículos elétricos mais eficientes da Europa. A produção anual deve chegar a 400.000 veículos até 2025. As três fábricas receberão um sistema de gestão comum e um “modelo social” uniforme. Além disso, as operações serão modernizadas. As três fábricas têm atualmente cerca de 5.000 funcionários e 700 novos empregos serão criados até 2025.

O novo complexo de produção é parte do programa Renaulution do chefe do Grupo Renault, Luca de Meo. Segundo a Bloomberg, pouco depois que de Meo assumiu a empresa em 2020, ele enfatizou aos sindicalistas a importância de um novo carro elétrico por menos de 20.000 euros para a Renault. Ele provavelmente tinha o novo Renault 5 em mente, que deverá ser lançado em 2023.

Fonte: Inside EVs

Compartilhe
10 jun 2021

Confiança da Construção avança 2,2 pontos em maio, na 1ª alta do ano

O Índice de Confiança da Construção (ICST) subiu 2,2 pontos em maio e registrou a primeira alta do ano, informou nesta quarta-feira, 26, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador de sondagem do setor chegou a 87,2 pontos, com ajuste sazonal, ainda abaixo do nível de março (88,8). Em médias móveis trimestrais, houve queda de 1,6 ponto, o quinto recuo consecutivo.

A coordenadora de Projetos da Construção da FGV do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), Ana Maria Castelo, ressalta em nota que a predominância entre as empresas ainda é de pessimismo. “Esse sentimento se contrapõe cada vez mais às expectativas otimistas que prevaleceram até o início do ano. Os empresários apontam que a demanda não avançou o suficiente para sustentar um novo ciclo. E a alta de preços dos insumos permanece como uma limitação cada vez maior, dificultando novos negócios”.

Fonte: Estadão Conteúdo

Compartilhe
03 jun 2021

Recuperação mundial acelera preços de insumos

A retomada econômica nos países que conseguiram avançar com a vacinação contra a covid-19, especialmente puxada pelos Estados Unidos e China, deu o tom no desempenho das commodities metálicas e no barril no Brent em maio. O minério de ferro, por exemplo, apresentou alta de 5,3% no mês passado, depois de bater um recorde histórico. Já a evolução do petróleo no período foi de 3,28%, para os contratos para entrega em julho.

As outras commodities metálicas também acumularam ganhos no mês passado. Com cotação na LME, em Londres, o cobre alcançou US$ 10,17 mil a tonelada, alta de 2,33%, o níquel cresceu 1,89%, chegando a US$ 17,84 a tonelada.
O zinco bateu US$ 3,05 mil a tonelada, aumento de 4,64%, o chumbo chegou a US$ 2,20 mil a tonelada, 2,99% maior que em abril. O estanho, material muito usado na indústria eletrônica, chegou a US$ 30,74 mil a tonelada, alta de 6,12%. O alumínio também apresentou desempenho positivo no mês passado. O preço da tonelada do metal ficou em US$ 2,1 mil, evolução de 6,33%.

Em minério de ferro, os preços encontraram novo fôlego ontem, acompanhando o movimento de valorização dos produtos siderúrgicos no mercado chinês e rumores de que as restrições à produção de aço no principal polo chinês, em Tangshan, caminham para ser flexibilizadas.

De acordo com a publicação especializada Fastmarkets MB, o minério com teor de 62% de ferro avançou 4,4% no porto de Qingdao, para US$ 198,83 por tonelada. Com esse desempenho, a principal matéria-prima do aço encerrou maio, mês que foi marcado pelo novo recorde de preços da commodity, de pouco mais de US$ 237 por tonelada, com maior volatilidade em 2021. No ano, os ganhos chegam a 24%.

“Quando se compara o fechamento com abril, teve um aumento de US$ 12. No entanto, o preço na metade do mês bateu US$ 230, o maior nível da série histórica. Então, em algum momento, a cotação subiu quase US$ 47. Uma volatilidade absurda”, disse Daniel Sasson, analista de mineração e siderurgia do Itaú BBA.

Segundo ele, esse sobe e desce nos preços depois de bater a máxima, fez com que o próprio governo da China fizesse pressão sobre o mercado, pois Pequim se mostrou preocupado com os altos níveis das commodities em geral. “Esse movimento, foi visto como um risco a estabilidade econômica e com isso os investidores ficaram com mais receio com os preços e houve a acomodação.”

Sasson, no entanto, acredita que a normalização dos preços da principal matéria-prima do aço deverá ocorrer no segundo semestre. “Isso deve acontecer conforme o aumento da oferta de minério de ferro à medida que a produção da Vale e outras mineradoras cresça e a demanda chinesa dê uma acomodada.”

Já a alta no barril do Brent foi puxada pela melhora da economia mundial. Rafael Foscarini, da Belo Research, avalia que a recuperação do PIB global neste ano é sentida muito mais no petróleo. Isso porque com a economia retomando o ritmo há mais mobilidade e mais consumo. Em maio, o barril do Brent fechou cotado a US$ 68,95, um ganho acumulado no ano de 33,06%.

“A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) já revisou para cima o PIB mundial neste ano, de alta de 5,6% para 5,8%. Isso por causa da vacinação. E isso afeta positivamente os preços das commodities, em especial o petróleo”, ressaltou.

Segundo ele, com o aumento da demanda global de petróleo há a expectativa de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reduza as restrições à produção na reunião que acontece nesta semana. “O preço tende a subir com a demanda mais previsível no curtíssimo prazo.”

Fonte: Valor

Compartilhe
03 jun 2021

Busões da vacina: imunização contra covid será feita em ônibus modificados

Dois ônibus doados pela Mercedes-Benz à Cruz Vermelha serão utilizados como pontos de vacinação móveis em diversas partes do País no combate à covid-19. O projeto, que começa neste mês, tem duração de três anos.

São dois modelos diferentes de ônibus, ambos modificados para cumprir a missão: o OF1519, projetado para uso urbano e cujo chassi parte de R$ 200 mil; e o rodoviário 500 R, com preço inicial de R$ 300 mil, sem contar o custo da carroceria.

A transformação dos veículos inclui sistema de conversão de luz solar em energia elétrica, para refrigerar as vacinas, e ficou a cargo da Eco X. Adaptar o primeiro custou R$ 260 mil, enquanto o segundo demandou gasto de R$ 400 mil.

As modificações foram patrocinadas pelo Ministério Federal de Cooperação Econômica e Desenvolvimento da Alemanha.

Fonte: UOL

Compartilhe
03 jun 2021

Governo publica decreto de regulamentação do Novo Marco Legal do Saneamento

O governo federal regulamentou a metodologia para comprovação da capacidade econômico-financeira das empresas prestadoras de serviços de saneamento. Aguardadas há meses pelo setor, as regras constam de decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (1).

O decreto disciplina trecho do Novo Marco Legal do Saneamento, em vigor desde julho, e funcionará como uma linha de corte para empresas de saneamento atuarem no mercado. O objetivo da comprovação de capacidade econômico-financeira é assegurar que as empresas tenham condições para cumprir as metas de universalização dos serviços. Em março, o ministro do Desenvolvimento Regional (MDR), Rogério Marinho, adiantou que, considerando o nível atual de caixa, pelo menos dez companhias estaduais de saneamento não conseguiriam atingir os índices necessários para continuarem operando, segundo as regras do decreto.

O ato determina que, se não se regularizarem até março de 2022, prazo final para os contratos em vigor se adequarem às metas de universalização de saneamento, essas empresas devem perder esses negócios. “O processo de comprovação de capacidade econômico-financeira deverá estar concluído, com a inclusão de decisões sobre eventuais recursos administrativos, até 31 de março de 2022”, cita o decreto.

Pelas regras, a avaliação da capacidade econômico-financeira será feita pela entidade reguladora em duas etapas sucessivas. Na primeira etapa, será analisado o cumprimento de índices referenciais mínimos dos indicadores econômico-financeiros e, na segunda etapa, a adequação dos estudos de viabilidade e do plano de captação de recursos. As empresas têm até 31 de dezembro de 2021 para apresentar requerimento de comprovação de sua capacidade à cada entidade reguladora responsável pela fiscalização.

Para a aprovação na primeira etapa, o prestador deverá comprovar que os indicadores econômico-financeiros do grupo econômico a que pertence atendem aos seguintes referenciais mínimos: índice de margem líquida sem depreciação e amortização superior a zero; índice de grau de endividamento inferior ou igual a um; índice de retorno sobre patrimônio líquido superior a zero; e índice de suficiência de caixa superior a um.

Fonte: Folha Vitória

Compartilhe
03 jun 2021

Venda de veículos novos tem alta de 7,03% em maio, diz Fenabrave

A venda de veículos subiu 7,03% em maio deste ano em relação a abril. Foram emplacados 175.405 veículos no mês passado, considerando carros e veículos comerciais leves. Cada emplacamento resulta em uma emissão de nota fiscal da operação contabilizada pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), que reúne 52 associações do setor.

Na comparação com maio de 2020, quando o país enfrentou o início da pandemia de covid-19, houve recuperação de 209,7%. Foram 56.627 emplacamentos naquele período, quando diversas fábricas paralisaram suas atividades. Os dados foram divulgados nesta 3ª feira (1.jun.2021). Eis a íntegra (752 KB).

Já no acumulado dos 5 primeiros meses do ano, houve um crescimento de 30,07% nos emplacamentos, totalizando 837.125 automóveis e comerciais leves vendidos. No mesmo período do ano passado, foram registrados 640.477.

“Vale observar que esse crescimento, embora bastante positivo, se dá sobre uma base comparativa baixa, já que tivemos péssimos resultados nos meses de março e abril do ano passado, em função do início da pandemia e da paralisação súbita da economia”, disse o presidente da associação, Alarico Assumpção Júnior.

Considerando todos os segmentos automotivos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros), houve um avanço de 10,82% em maio frente ao mês anterior (319.257 unidades contra 288.081 emplacamentos) e 218%, quando comparado a maio de 2020.

Fonte: Poder 360

Compartilhe
03 jun 2021

Embraer dispara após sua subsidiária de ‘carro voador’ anunciar parceria com a americana Halo

A Eve Urban Air Mobility Solutions, criada pela Embraer, anunciou nesta terça-feira (1) uma parceria com a norte-americana Halo para o desenvolvimento de produtos e serviços de Mobilidade Aérea Urbana (UAM) nos Estados Unidos.
O acordo inclui um pedido de 200 unidades do veículo elétrico de pouso e decolagem vertical (eVTOL) a serem entregues pela Eve a partir de 2026. Essa é uma das maiores encomendas na indústria de UAM e animou o mercado.

As ações da Embraer chegaram a subir mais de 6% e lideraram os ganhos do Ibovespa na manhã de hoje. A perspectiva de diversificação nas receitas da companhia, tradicionalmente apoiadas na aviação comercial e de defesa nacional, com a parceria firmada, agradou os investidores. Ao final do pregão, os papéis (EMBR3) fecharam com alta de 4,05%, a R$ 17,98.

Além do grande número de produtos, a parceria também prevê que a Halo, líder em operações de táxi aéreo de helicóptero nos EUA e no Reino Unido, trabalhe com a brasileira para desenvolver uma nova operação de eVTOL em ambos os países.
E o esforço se somará ao trabalho que a Eve já realiza no Reino Unido: a empresa é líder de um consórcio que está solucionando questões regulatórias e operacionais para viabilizar operações de eVTOL em Londres.

Fonte: Seu Dinheiro

Compartilhe
03 jun 2021

FCI-Marbocote lança lubrificante que facilita a montagem de componentes plásticos e de borracha

A FCI-Marbocote, empresa especializada na fabricação de desmoldantes e produtos anticorrosivos, bem como no fornecimento de adesivos estruturais, acaba de lançar um lubrificante que facilita a montagem de componentes plásticos e de borracha. Denominado Marbocote DNS W1000G/1, o produto é ideal para montadoras de veículos leves e pesados, estaleiros e construtoras.

Sem similar no Brasil, o DNS W1000G/1 seca depois de alguns minutos da aplicação e da conclusão da montagem do componentes. Assim, a peça volta ao seu estado natural – ou seja, não fica escorregadia.

A novidade da FCI-Marbocote é especialmente útil em aplicações feitas na vertical, em função da viscosidade do lubrificante ser de 5000-6000 cps. “Sua formulação é isenta de silicone, álcool ou destilados de petróleo, elementos que poderiam dificultar a posterior adesivação da peça”, observa Ana Clara Cordeiro, diretora comercial da FCI-Marbocote, lembrando que o DNS W1000G/1 é resultante de uma combinação especial de polímeros.

“Em um carro de passeio comum, existem cerca de vinte possibilidades de aplicação desse lubrificante”, ela calcula.

Fonte: SLEA Comunicação

Compartilhe

© 2017 ALMACO. Todos os direitos reservados.

Click Me