20 maio

O futuro será renovável, afirma country manager da Enel Brasil

O futuro da geração de energia global será renovável e o Brasil está bem posicionado na disputa por investimento, afirma Nicola Cotugno, country manager da Enel Brasil.
Ele foi o convidado do epbr entrevista nesta quinta (13) e trouxe a visão da companhia para geração, transmissão e distribuição de energia.
“Está muito claro para nós como empresa a nível mundial, e também no Brasil, que o futuro é renovável, porque a natureza nos oferece essa grande oportunidade, em alguns países mais, em outros menos”, disse.
Para isso, contudo, o Brasil precisa criar essas oportunidades, seja por crescimento econômico ou pela substituição de fontes fósseis.
“O Brasil pode sem dúvida, oferecer crescimento de consumo – por crescimento econômico, demográfico – e por troca das usinas de óleo, de baixa eficiência, com esta produção competitiva de baixo custo. Tem que deixar claro: renováveis são as [fontes] mais eficiente”, afirma o executivo.
O grupo tem um compromisso de chegar a 2050 com zero emissões de carbono.
“Hoje o grupo a nível mundial tem 49 mil megawatts de energia renovável. O compromisso – não é uma aspiração – é de triplicar isso em dez anos e chegar a 145 [mil] a 150 mil MW renováveis instalados. Estamos apostando totalmente nisso, investindo só em energia renovável”, contou.
A Enel Brasil possui participações em quatro distribuidoras de energia nos estados do Rio, Ceará, Goiás e São Paulo, além de três geradoras do segmento Enel Green Power – Cachoeira Dourada e Volta Grande – e a Enel Fortaleza. No segmento de transmissão, opera por meio da Enel Cien.
A empresa anunciou recentemente a adição de 1,3 mil MW, com a construção de quatro usinas eólicas e uma solar. São quase R$ 6 bilhões em investimentos.
“É uma joia ainda maior deixar o impacto positivo, não como minimização do impacto, mas criação de um impacto positivo. No passado, se falava de mitigar o dano ambiental e os impactos negativos. Hoje, podemos falar com orgulho – a gente e todos que operam no setor – sobre poder deixar impactos positivos no crescimento”, diz.

Fonte: epbr

Compartilhe