10 maio

Venda de máquina cresceu 26%

 

Depois de iniciarem o ano em queda, as vendas domésticas de máquinas agrícolas tiveram recuperação em abril e devem crescer, no mínimo, 7,5% neste ano. Segundo dados divulgados ontem pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), as vendas de máquinas agrícolas e rodoviárias no país somaram 4.142 unidades em abril. Em relação a março, houve alta de 17,6%, e na comparação com o mesmo mês do ano passado, as vendas subiram 26,4%.

Com a retomada do crescimento das vendas domésticas de máquinas, a Anfavea deve, ao menos, duplicar a atual projeção de aumento de 3,7% nos volumes em 2018, segundo o vicepresidente da associação, Alfredo Miguel Neto. Pela estimativa atual, as vendas alcançariam 46 mil unidades no ano. No o primeiro quadrimestre, as vendas somaram 11.667 unidades, ainda com retração de 7,2% ante o mesmo período de 2017.

“Podemos revisar para um crescimento entre 7,5% e 8%. Talvez, um pouco mais a depender dos números finais da Agrishow”, afirmou Antonio Megale, presidente da Anfavea, referindo-se à feira de máquinas realizada semana passada em Ribeirão Preto (SP). Neste ano, as vendas durante a Agrishow somaram R$ 2,7 bilhões na Agrishow, uma alta de 22,7% sobre 2017. Inicialmente, a organização do evento esperava aumento de 8% das vendas neste ano.

“Foi uma feira extraordinária”, disse Miguel Neto. Segundo ele, a Anfavea também aguarda o anúncio do Plano Safra 2018/19, quando serão conhecidos os recursos que o governo pretende destinar ao Moderfrota, linha de crédito voltada à aquisição de máquinas. “Nossas indicações são de que teremos recursos suficientes no próximo plano”, afirmou Megale. No ciclo 2017/18 foram direcionados R$ 9,2 bilhões ao Moderfrota.

Antes do encerramento da Agrishow, porém, o governo sinalizou que o montante ofertado no Moderfrota pode diminuir no Plano Safra 2018/19. Ao Valor, o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Wilson Vaz, disse, na ocasião, que os desembolsos liberados pelos bancos devem alcançar no máximo R$ 8 bilhões na atual safra e que o governo pretende manter esse volume no próximo ciclo.

Ontem, o vice-presidente da Anfavea também destacou o crescimento do uso do Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) para a compra de máquinas. Segundo ele, houve alta de 122% no primeiro quadrimestre, ante o mesmo período de 2017.

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe

Deixe seu comentário